WhatsApp
Um cliente com Parkinson pergunta se pode usar sapatos descalços

Um cliente com Parkinson pergunta se pode usar sapatos descalços

O telefone toca. A voz é estaladiça.

Apresenta-se, o seu nome é Pedro e tem a doença de Parkinson.

Pergunta se os sapatos minimalistas podem funcionar para ele.

Até aqui tudo normal, esta é uma pergunta muito típica.

É comum no nosso dia a dia.

O que é menos comum é dizer que se tem Parkinson e perguntar sobre calçado descalço.

Vamos lá ver.

Vou explicar-lhe porque é que você e o Peter podem beneficiar de andar descalços ou com sapatos descalços.

A resposta que lhe dei foi mais sucinta, mas foi assim:


A planta do pé é uma das partes do corpo com mais terminações nervosas e, por isso, muito sensível.

Não para o mal, mas para o bem.

Esta sensibilidade é utilizada, literalmente, para saber onde se está a pisar.

O solo produz estímulos tácteis e o seu corpo reage a eles instintivamente.

Por exemplo: se pisarmos um calhau descalços, alteramos instintivamente a pressão no pé para minimizar os danos -se pisarmos com o antepé, transferimos a pressão para o calcanhar e se pisarmos com o calcanhar, transferimo-la para a frente.

Como um navio a navegar pelos mares.

Tudo isto em milésimos de segundo e sem pensar. É um exemplo do funcionamento dos reflexos.

A planta do pé também é capaz de "sentir" perfeitamente a dureza do solo e a força da sua pisada.

A partir daí, ajusta a rigidez dos músculos da perna para obter a combinação perfeita de amortecimento e absorção de choques. Para conseguir a combinação perfeita de amortecimento e estabilidade, dependendo do terreno em que se está a caminhar, da velocidade a que se vai, etc.

As suas pernas tornam-se o amortecedor perfeito: inteligente e adaptável, tudo num só adaptativo, tudo isto num processo inconsciente, sem pensar.


Estes parágrafos foram retirados do Guia para aprender a correr que escrevi em conjunto em 2011.

Reparem na quantidade de coisas que os vossos pés fazem.

E em todas elas é necessária a ligação ao cérebro, que é fundamental para a sua função motora e sensorial.

Qualquer perturbação destas interacções pode afetar a sua marcha, o seu equilíbrio e a sua coordenação, o que ocorre em doenças como Parkinson, neuropatias ou outras doenças que afectam o sistema nervoso.

Mas atenção!

Os sapatos actuais também interferem com a ligação entre o cérebro e os pés.

Como se se tratasse de uma doença.

No entanto: o que é que a maioria dos humanos domesticados faz?

Envolvem os pés em engenhocas rígidas, estreitas, com solas gordas e saltos altos.

É assim.

Foi por isso que o Peter me telefonou uma semana depois de falarmos. Ele tinha andado descalço numa zona de seixos e tinha reparado como a ligação cérebro-pés estava a ser activada.

Não é magia.

É biologia.

E o que acontece quando os pés actuam?

Melhoram a mobilidade e a flexibilidade das articulações.

Ficam mais fortes, contrariando a fraqueza muscular e a rigidez causada pelo calçado opressivo.

Ajudam a manter a plasticidade cerebral através da estimulação cerebral constante que os seus pés proporcionam, melhorando
estimulação que os seus pés lhe oferecem, melhorando o seu equilíbrio e coordenação.

Que maravilha!

Assim, pode dizer-me mais tarde que lhe doem os pés. E o que é que está a perder a nível cerebral?

Bem, isso é bom.

A mensagem é clara: mude de sapatos.

Podem ser os que estou a recomendar hoje ou outro modelo.

Eu tenho uma predileção por estes sapatos. Uso-os há anos e não me canso de os usar.

De certeza que já ouviu o seu nome alguma vez.

São os Merrell Vapor Glove.

  • Versão desportiva: para que o pé respire enquanto caminha, treina ou dá duro no ginásio ou no parque de calistenia...
  • Everyday: para um estilo único enquanto vai para o trabalho ou toma uma bebida com os amigos com o conforto de usar chinelos.


Para Mulher em novas cores aqui: para fazer desporto e para o dia a dia com a leveza de parecer que não está a usar sapatos.

Porque a sua saúde começa nos seus pés.

António Caballo

Publicado el 2024-03-09 por @antonio.caballo Estudos científicos, Circulação e problemas... 0 1247

Dejar un ComentarioDejar una respuesta

Debes estar logueado para publicar un comentario.

Últimos Comentarios

Buscar contenido en el Blog

Prev
Next